7 de dez de 2009

Radar Educomunicação VI

Educomunicação no I Encontro das Secretarias de Saúde e Educação sobre DST/Aids. Isso mesmo o encontro que aconteceu no dia 7/11/2009 buscou na educomunicação fonte de inspiração para trabalhar a questão da prevenção com os jovens.

O professor Ismar de Oliveira Soares da ECA/USP foi convidado para falar sobre o tema. “Como mobilizar adolescentes e jovens não só para discutir o assunto como também para tomar ações concretas no controle da Aids?” - questiona Soares.


Educomunicação em Cubatão-SP
A prefeitura de Cubatão anuncia que a cidade enviou 11 representantes à Confecom estadual, a Conferência Nacional de Comunicação, de 20 a 22 de novembro. a etapa nacional acontecerá de 14 a 17 de dezembro de 2009, em Brasília.
Em outubro aconteceu a etapa regional na cidade em que houve debate das questões relacionadas à comunicação em três eixos: produção de conteúdo, meios de distribuição e cidadania.
Na mesma foi elaborado um documento com mais de 50 propostas a serem enviadas ao evento estadual.

A partir do item 11 do eixo “Cidadania: Direitos e Deveres" aparecem as propostas:
“13) Incluir a educomunicação, enquanto conceito e prática transdisciplinar em todos os níveis da educação pública (federal, estaduais e municipais);
14) Criar linhas de fomento à pesquisa e extensão universitária para estudos nas áreas de inter-relação educação e comunicação;
15) Criar mecanismos de incentivo para os meios de comunicação alternativos como: blogues, fanzines, jornais murais, rádios escolares e rádio-web, contemplando projetos de educomunicação e oficinas técnicas/profissionais nas áreas da comunicação gratuitas à sociedade civil;
16) Implantar programas de inclusão digital e acesso às ferramentas para que as pessoas aprendam a usar todo o seu potencial. Incentivar o uso dos programas de computador (softwares livres), dentro de um amplo plano de educação e inclusão digital;
17) Fomentar o conceito de Cidade Digital, por meio de debates com a sociedade sobre acesso público à Internet, o uso dos computadores nas escolas e outros recursos;
18) Criação de Fóruns Populares de Comunicação, incentivando a comunidade a se organizar para o debate em torno do tema;
19) Criar Conselhos de Comunicação com participação da sociedade civil em todas as esferas.
Foram subscritas todas as propostas do Coletivo Intervozes para a Conferência Nacional de Comunicação.


Texto de Manuel Castells
Do “blog Educomunicação – comeedu” chega até nós a informação sobre o texto de Manuel Castells "La apropiación de las tecnologías. La cultura juvenil en la era digital" no qual aborda o problema do fosso geracional e do gap educacional.
O blog cita os seguintes fragmentos de Castells:

La condición de ‘nativos digitales' de los jóvenes de hoy les confiere una posición dominante frente a sus mayores. Su uso cotidiano de de los medios digitales de información y comunicación les ha permitido desarrollar nuevas formas de relación y construir sus propios espacios de autonomía colectiva. Las instituciones educativas deben afrontar ya el reto de adecuarse a la realidad de sus públicos para frenar ese desfase cultural-tecnológico que ya es un hecho."

"Observamos hasta qué punto la posesión de un móvil conectado es el bien más preciado, porque esa autonomía comunicativa les permite construir su propio mundo. De la misma forma, los espacios y redes sociales en Internet, ya sean MySpace, Facebook, YouTube, Flickr o Twitter, fueron originalmente desarrollados sobre la base del entusiasmo de los jóvenes por dichas formas de encuentro virtual y de expresión instantánea, sin mediación organizativa o institucional. Así ha surgido el universo de lo que hoy se denomina confusamente como social media, el objeto de deseo de una industria de los medios de comunicación a la deriva porque no sabe cómo situarse en el océano de la autocomunicación de masas".

"Las consecuencias sobre el aprendizaje y la innovación son aún inciertas. Pero lo que sí sabemos es que el actual sistema educativo, empezando por la Universidad, está en desfase cultural-tecnológico total con sus actuales usuarios. De ahí la necesidad de adecuar instituciones y normas a la cultura y tecnología de nuestro tiempo, so pena de aceptar un peligroso cisma entre nuestro mundo y el mundo de nuestros hijos. Un mundo que será el suyo dentro de algunos años".




Educomunicação em Anápolis-GO

O programa de Educomunicação chega em Anápolis-GO com o objetivo de “aplicar técnicas audiovisuais em sala de aula". A aula inaugural aconteceu com a presença de 30 representantes de unidades escolares do município,” como divulga o blog da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia.

Segundo o assessor de Comunicação, Jonathan Jayme, também instrutor do curso, a capacitação é direcionada a professores, diretores e coordenadores das escolas municipais. “Queremos implantar nas escolas de 6º ao 9º ano, a prática de recursos audiovisuais enquanto formação de cidadãos”, acrescenta.


Educomunicação e experiência estética
é o título do artigo de Juliana Resende editora do blog “Programa Versão Beta”, um programa de in-formação digital. Inicia o artigo falando do termo “educomunicação passando por pesquisadores como Ismar de Oliveira Soares e Maria Kaplún.

Citando Salvatierre (2006) aponta que esse novo campo de intervenção social se manifesta em cinco áreas, que ela (Juliana) menciona apenas duas “delas que condizem com a proposta aqui presente: a área da mediação tecnológica nos espaços educativos, constituída pelos esforços para identificar a natureza da interatividade propiciada pelos novos instrumentos da comunicação e de democratizar o acesso as tecnologias, desmistificando-as e colocando-as a serviço de toda a sociedade; a área da reflexão epistemológica sobre o campo da educomunicação, que inclui a pesquisa e a avaliação sistemática, destinadas a compreender a complexidade das relações entre comunicação e educação,” relata a blogueira.

Ainda destaca os fundamentos do novo campo que passam pelo “empoderamento” das pessoas para se expressarem; pelo diálogo entre os agentes educativos e por sua formação para a mediação social de conflitos; pela ampliação da capacidades dos agentes culturais para a discussão de temas transversais; pela promoção da gestão participativa dos processos comunicativos.

Fala ainda do desenvolvimento de um ecossistema comunicativo e da análise das práticas educomunicativas que a autora realizou.
“Salvatierra acredita que os agentes do processo educativo são expostos também a uma experiência estética3, a medida que vivenciam dinâmicas, contrapõem idéias, ampliam o repertório, participam de reflexões, de analises e do processo de produção coletiva.
(...) Sendo a educomunicação uma intervenção social que visa a educação através dos meios de comunicação, é importante refletir sobre a sua contribuição para a transformação dos agentes do processo educativo não só de forma racional, mas sensorial também” conclui Juliana,

Leia o artigo completo no blog “Programa Versão Beta”

O Programa Versão Beta é uma proposta de construção de um ambiente coletivo para a troca de conhecimentos na busca de desenvolver novos enfoques teóricos e práticas que possibilitem uma expectativa favorável frente a educação, a comunicação e a capacidade de transformação social.
Na teoria, o programa foi desenvolvido com o intuito de promover uma pesquisa-ação no campo da educomunicação e do jornalismo colaborativo.
Na prática, o Programa Versão Beta propõe trabalhar a construção de um jornalismo colaborativo através da ferramenta blog e a formação do senso crítico para a efetiva participação cidadã na era da sociedade em rede.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar o meu blog. Responderei nesse mesmo espaço!
Abraços educomunicativos!