29 de ago de 2009

Minhas twittadas em agosto de 2009

Minhas twittadas em agosto de 2009

antoniaalvesAug 24, 2009, 3:01pm via Web
Aprendaki está divulgando todas as chamadas publicadas no Portal pelos comunicadores e por sua equipe -http://www.aprendaki.com.br
antoniaalvesAug 05, 2009, 7:19pm via Web
Educomunicação em revista colombiana no artigo do professor Ismar de Oliveira Soares no meu Blog:http://antoniaalves.blogspot.com/

24 de ago de 2009

Entrevista com Martín-Barbero

A Folha de São Paulo realizou entrevista com Jesus Martín-Barbero no dia 24 de agosto deste ano. "Utopia de democracia direta e igualdade total na web é mentirosa, diz filósofo" é o título da entrevista realizada por Renato Essenfelder.

"Com a emergência de gigantescas redes sociais virtuais, como o Facebook, a internet configura a sua utopia máxima: todos somos iguais. E, se somos todos iguais, não precisamos mais de eleições, pois não precisamos ser representados. Todos nos representamos no espaço democrático da internet.

O raciocínio é tentador, mas, para o filósofo espanhol Jesús Martín-Barbero, é mentiroso --e temerário. "Nunca fomos nem seremos iguais", ele diz, e na vida cotidiana continuaremos dependendo de mediações para dar conta da complexidade do mundo, seja a mediação de partidos políticos ou a de associações de cidadãos.

Martín-Barbero vê a internet como um dos fatores de desestabilização do mundo hoje, que não pode ser pensado por disciplinas estanques. Mundo, aliás, tomado pela incerteza e pelo medo, que nos faz sonhar com a relação não mediada das comunidades pré-modernas. O filósofo conversou com a Folha durante visita a São Paulo, na semana passada.

Confira a entrevista completa neste link: http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u613875.shtml

5 de ago de 2009

Educomunicação em revista colombiana no artigo do professor Ismar de Oliveira Soares


Soares, um dos papas da interrelação “comunicação-educação” traça percurso da área Educomunicação desde os anos 90 até hoje.

O artigo de autoria do coordenador do Núcleo de Comunicação e Educação (NCE/USP) da Universidade de São Paulo (USP), professor Ismar de Oliveira Soares foi publicado na revista “Nómadas” da Universidade Central de Bogotá, Colômbia, na edição de abril deste ano.

Soares analisa os caminhos e os desafios da Educomunicação na América Latina em um texto, em espanhol, que discute a trajetória do conceito e da prática educomunicativa na América Latina, a partir de autores consagrados e especialmente da prática da sociedade civil.

Com o título “Caminos de la educomunicació n: utopías, confrontaciones, reconocimientos”, pode ser acessado pela Internet: clicando aqui.

Aponta como desafios a formação dos educomunicadores e a garantia de coerência de sentidos diante das contradições ao enfrentar a prática. Desde a pesquisa realizada com educomunicadores entre os anos de 1997 e 1999 pelo NCE, com educadores que trabalhavam com a aproximação dessas duas áreas – educação e comunicação.

Foram detectados os “valores educativos que davam suporte às articulações exercidas por esse profissional deste novo campo: a opção por aprender a trabalhar em equipe, respeitando as diferenças a valorização dos erros como parte do processo de aprendizagem o amparo a projetos dirigidos à transformação social d) a gestão participativa de todo o processo de intervenção comunicativa,” ressalta Soares no artigo.

Ainda na pesquisa foram identificados quatro movimentos que se articulam em direção à utopia educomunicativa. “A recepção qualificada, a educação popular, a articulação coletiva para a transformação social,” detalha o pesquisador. Segundo ele nos anos recentes, agrega-se a essa utopia o reconhecimento da educomunicação como direito de todos alcançado mediante as políticas públicas.

São esses detalhes que Soares vai destacando em todo o artigo, organizado em subtítulos que vão adentrar nessa história. Em “La utopia de la educación popular” destaca o diálogo “inter-muros” e “extra-muros”. No item sobre “La utopia de la educomunicación como derecho de todos alcanzado mediante las políticas públicas” apresenta experiências que vem sendo desenvolvidas com intencionalidade, tais como: a desenvolvida na cidade de São Paulo que define a educomunicação como uma política pública a adoção da educomunicação nas obras salesianas (Filhas de Maria Auxiliadora) nos cinco continentes o diálogo com a educomunicação e sobre ela nos períodos Jornal da Tarde e Canal Futura.

Vale a pena ler todo o artigo para entender o motivo que faz a educomunicação ser tão atrativa, desafiadora e instigante para o mundo educacional e comunicacional.


Resumo do artigo

O artigo assume a hipótese de que a educomunicação se consolida como campo de diálogo que mobiliza grandes estruturas. Identifica quatro movimentos que se articulam para garantir sua especificidade: a recepção qualificada, a educação popular, a articulação coletiva para a mudança social e, a partir dos últimos anos, o reconhecimento da educomunicação como direito de todos alcançado tanto mediante ações de um sem-número de organizações não-governamentais que a assumem como metodologia de ação, quanto mediante de planos globais de políticas públicas.

Analisa, então, vários projetos no Brasil que tentaram transformar a escolarização mediante procedimentos próximos ao sentido dado ao conceito de educomunicação pelo movimento popular.

Palavras-chaves: educomunicação, teoria das mediações, educação popular, comunicação participativa, políticas de comunicação, gestão da comunicação.


Mais sobre o professor Ismar

Entrevistas e artigo no Aprendaki


Postura dialógica, vocação educomunicativa

Educomunicação: Gestão de Processos

Práticas educomunicativas, um olhar sobre o inacabado


* Matéria também publicada no Aprendaki.