5 de dez de 2009

Radar Educomunicação V

Educomunicação na Região Sisaleira - BA
No espaço Software Livre Brasil é possível encontrar a Comunidade “Projeto de Educomunicação do Campo na Região Sisaleira” que faz partem as cidades baianas: Valente, Retirolândia e Conceição do Coité.
“A comunidade foi pensada com o objetivo de trocar experiências e conteúdos na área de educomunicação do campo.
O trabalho atualmente é desenvolvido em três municípios do Território do Sisal, são eles: Conceição do Coité, Valente e Retirolândia.
Dentre outras questões, a metodologia de educomunicação contribui na construção de uma visão critica dos meios de comunicação, além de permitir a construção de mídias por crianças e adolescentes de acordo com a realidade de cada comunidade,” apresenta-se a comunidade.

O projeto é coordenado pelo MOC - Movimento de Organização Comunitária.



Educomunicação em Corumbataí-SP

O Educorumbataí é um projeto de Educomunicação Socioambiental na Bacia do Rio Corumbataí. Propõe-se a realizar Oficinas de Educomunicação Socioambiental com o Ensino Fundamental II em cada uma das cidades por onde passa o rio Corumbataí – Analândia, Corumbataí, Rio Claro e Piracicaba.
O blog faz parte do Projeto “Educomunicação Socioambiental na bacia hidrográfica do rio Corumbataí” ligado a um Projeto Temático de Pesquisa - “Mudanças Socioambientais no Estado de São Paulo e Perspectivas para a Conservação" do Programa Biota da Fapesp desenvolvido por pesquisadores da ESALQ e CENA/USP.

A Oficina de educomunicação 6ª A da EMEF “Maria de Lourdes Pedroso Perin" em Corumbataí/SP teve por objetivo foi trabalhar a educação e a comunicação ambiental de modo integrado ao desenvolvimento de temas transversais, através de proposta pedagógica interdisciplinar com vistas à democratização e à acessibilidade à informação socioambiental e enraizamento da educação ambiental em nossa sociedade.


Educomunicação em Rondônia
O Rondônia Dinâmica divulgou esta semana que alunos de escolas públicas municipais de Porto Velho-RO exibem mostra de artes criadas por eles mesmo no I Encontro Municipal de Educação, Cultura e Artes-Integrando Saberes, organizado pela Secretaria de Educação (Semed), no Teatro Banzeiros, de 25 a 27 deste mês.

Além das oficinas diferenciadas para educadores e alunos, das apresentações, houve a palestra no dia 26 com a técnica do MEC Lucenir Pinheiro que lembrou o atual Governo irá integrar esses projetos ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação (Fundeb), preocupado com sua continuação nas próximas administrações.
Destacou o Rio de Janeiro como o Estado pelo número de escolas que aderiram aos programas de educação integral. Seguido por Pernambuco, Ceará e Bahia, respectivamente em segundo, terceiro e quarto lugar.

Segundo a secretária da Educação, Epifânia Barbosa, o evento “tem como objetivo propiciar aos profissionais que estão envolvidos com a educação integral espaços de discussões, troca de conhecimentos e experiências.
Além de proporcionar reflexões importantes de forma a perceber que as atividades desenvolvidas pela educação integral devem estar intimamente planejadas e relacionadas ao currículo escolar.
Nesses três dias, estão sendo trabalhados os macrocampos de Acompanhamento Pedagógico, Cultura, Esporte, lazer e Educomunicação, além da área de Arte, enfatizando a música,” descreve a notícia.



Educomunicação em Belém
O Diário do Pará exibiu notícia sobre o “Projeto Imaginautas que leva cultura às ruas de Belém”.

“Mesclando a cultura do norte com a do nordeste e propondo resgate da memória e do patrimônio de Belém, é que o designer e videoartista GHustavo Távora, idealizador do projeto "Imaginautas" - ações em artes visuais e educomunicação – realiza hoje (24), na Praça da República, instalações fotográficas e outras intervenções nesses espaços de circulação públicos, para chamar a atenção das pessoas e propor que elas colaborem no que está exposto.O projeto também divulga o "Festival Internacional de Cultura Popular Vozes de Mestres", que ocorre na cidade de 24 a 29 de novembro e terá entre suas atrações a cantora Déa Trancoso e o músico Naná Vasconcelos.

Visando o "tecer" de uma rede social e produtiva, conectando pessoas de várias regiões do Brasil - o Projeto “Imaginautas” chega à capital do Pará já tendo criado bases em cidades como: Recife (PE), Salvador (BA), São Luís e Alcântara (MA), Belo Horizonte e Ouro Branco (MG) e Curitiba (PR). Iniciado em 2007, quando do seu lançamento na Fundação Joaquim Nabuco, em Recife, iniciou a itinerância em dezembro de 2008, com a ida para Salvador. O “Imaginautas”, objetiva mobilizar ações artístico-colaborativas em suas cidades de origem, onde os grupos interajam a partir da plataforma NING, de rede informática. “Vamos fazer as ações em arte comunicação para divulgação do Festival Vozes de Mestres, instalamos e fazemos uma pesquisa experiencial e vivência”, explica Ghustavo.
As intervenções em praças são um capítulo peculiar do projeto, “não devemos causar nenhum dano à cidade nem provocar produção de lixo, as ações devem ser educacionais e comunicativas, conscientizando a população e instruindo-os a colaborar e transformar as fotografias em exposição.
Então todos que produzem arte em suas variadas linguagens, ou as que tem curiosidade em fazê-lo, são convidados a levarem suas poesias, desenhos, pinturas, grafites, serigrafias, origamis e criar junto.” esclarece.

A ação de intervenção na praça será paralela a oficina com a artista plástica e ceramista mineira, Germana Arthuso.
Ela, que também é arte terapeuta, propõe a feitura de um Mural em Cerâmica, que ficará exposto na Fundação Curro Velho, apoiadora do projeto.
As inscrições para a oficina colaborativa podem ser feitas pelo site www.vozesdemestre.com.br .”

Fonte: Diário do Pará

Educomunicação contra a midiotice
Vale a pena conferir o artigo “Educomunicação contra a midiotice” de Jorge Serrão no Alerta Total. ele é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor.
Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net.
Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

Em seu artigo fala sobre o caso da Geisy Arruda na Uniban em São Bernardo do Campo.
“Merece uma profunda análise dos estudiosos das Teorias da Comunicação e da Educação a repercussão midiotizante do problema causado/sofrido pela estudante de turismo Geisy Arruda na Uniban de São Bernardo do Campo.
Até agora, contaminados pelo vírus canceroso da dissonância cognitiva, os midiotas de plantão só abordaram, do jeito simplista deles, os efeitos, as conseqüências, e não as reais causas e todos os aspectos envolvidos no caso que ganhou repercussão globalitária,” afirma.

Menciona ainda o próximo curso de Educomunicação da USP, do projeto Cala-boca já morreu da ONG Gens. Para ele “uma Educomunicação seria justa e perfeita para a formação básica do ser humano capaz de aplicar os diferentes conhecimentos com base na Verdade, na Democracia e na Sabedoria.
Assim superaremos a ignorância, os preconceitos, os erros e as mentiras que hoje inviabilizam a felicidade humana”.
“Somos vítimas dessa doença grave que assola o processo de comunicação na Era Globalitária – ou Bobalitária,” enfatiza.

leia o artigo completo clicando aqui e compreender a conclusão de seu artigo que se expressa assim: “O primeiro passo para tudo melhorar: vamos praticar os verbos observar e lembrar para agirmos com sabedoria.
A educomunicação pode ajudar muito neste desafio de construirmos um Brasil soberano, desenvolvido e democrático, com cidadãos capazes de pensar e agir corretamente, em vez de seres meros escravos ideológicos da midiotice.
Eis o desafio para cada pessoa de Bem na erradicação da “midiotice”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar o meu blog. Responderei nesse mesmo espaço!
Abraços educomunicativos!