30 de nov de 2010

Pensadores do Ciberespaço

Ao estudar Os Pensadores do Ciberespaço na aula da professora Dra. Elizabeth Saad Corrêa na disciplina "A informação eletrônica em questão: os pensadores do ciberespaço" no Programa de Pós-Graduação da ECA/USP, uma infinidade de caminhos, possibilidades e opiniões diversas se desdobram diante dos olhos.

Já estudamos de tudo um pouco.
Passamos pelo "campo e a pesquisa da comunicação e mídias digitais" abordando autores como: Enrique Bustamante, C. Waite, David Silver, Sam Lehman-Wilzig e Nava Cohen-Avigdor.

E, claro, tínhamos que começar vendo "a Internet dos descontentes: conhecendo autores reativos/críticos", ou seja, autores que abordam situações críticas ou mesmo que criticam a rede mundial de computadores.
Assim, abordamos autores como: Aldows Huxley, Andrew Keen, John Zittrain, Lee Siegel, Neil Postman, Nicholas Carr, Paul Virilio e Umberto Eco.

Para aprofundar a temática "Cibercultura, cultura digital e cultura da convergência", discutimos em duas aulas os "conceitos fundantes" e os dois principais autores "Deuze e Jenkins".
Para ilustrar ainda mais os horizontes os seminários apresentaram os seguintes autores e/ou publicações; Revista USP - dossiê sobre Cibercultura organizado por Saad, Pierre Lévy, Francisco Rüdiger, Raymond Williams, Henry Jenkins e Mark Deuze.

Finalmente, chegamos à "mediação ou mediatização?" com Jesus Martín-Barbero, Simon Cottle, Leopoldina Fortunatti e Friedrih Krotz.
Como este se trata do meu seminário em grupo, segue algumas reflexões sobre a apresentação do seminário.
Para aprofundar a temática desses autores, busca referências também em Muniz Sodré e Lúcia Santaella, pois a midiatização está tomando conta dos nossos dias através do simulacro.
Sodré, por exemplo, fala em uma nova forma de vida, agregando um quarto bios à polis/cidade. Esse quarto elemento é o bios midiático que se soma à vida política, à vida contemplativa e vida prazerosa.

Em Fortunatti aprofundamos a questão da Internitização da mídia de massa, em Krotz a sociedade mediatizada e em Cottle os rituais mediatizados elaborados pela mídia.
Mas será que ainda hoje é possível falar em rituais com a amplitude e possibilidades da Internet?

Veja os principais pontos da apresentação nesse slides-show construído colaborativamente pelo grupo no "Google Docs".



E nossa trajetória de aprofundar os pensadores do ciberespaço continua.
Numa aula seguinte a reflexão foi em torno do tema
"A vertente teórica dos estudos "eco": ecossistemas social, jornalístico e mercadológico. Em oposição à Ecologia das Mídias".
Vieram ao debate temas como "Darwinismo digital" e "Ecossistema de Marketing Social" com estudos que retratam essa realidade.
Uma pesquisa sobre entender o perfil de leitores dos jornais como uma proposta de entender a participação de novo consumidor.
Ao contrário disso, vem a "Ecologia das Mídias", da Escola de Toronto que agrega pesquisadores como Lance Strate, Christine Nystrom e Neil Postman - que cunhou a expressão "ecologia das mídias".
Ainda junta-se a essa temática Henry Jenkins e David Thornburn.


Outro seminário interessante foi "A vertente contemporânea - economia política da comunicação e os estudos culturais e a vertente clássica - indústrias culturais" com contribuições de Christian Fuchs, Robin Mansell, Valério Cruz Brittos, Manuel Castells, Pierre Bourdieu e Ana Carolina Escosteguy.


Participei de outro seminário.
Dessa vez sobre o "Ciberespaço como o lugar do acontecimento social. O conceito de rede e redes sociais".
Trabalhamos os autores Rainer Randolph, David Ugarte, Nelson Pretto, Sergio Amadeu da Silveira, Manuel Castells.

Assista a apresentação do grupo


Nas próximas aulas temos os seguintes seminários:

:: Poder, empoderamento do usuário e crowdsourcing, emancipação do receptor com os seguintes autores: Maquiavel, Marilena Chauí, Jeffe Howe, Clay Shirky, Daniel J. Solove, Jacques Rancière, Nick Yee, Jeremy N. Bailenson, Nicolas Ducheneaut, Alexander Galloway.

:: O tempo e o espaço como fatores fundantes da era da mobilidade com Fritjop Capra, Stine Gotved, Dennis Kingsley, Fábio Duarte, Zygmunt Bauman.

:: Narrativa e linguagem digitais - a nova "escrita" com Michel Serres, Vilém Flusser, Pierre Lévy, Gisele Beiguelman, Mark Amerika, Michael Mateas, Phoebe Sengers, Carlos Alberto Scolari, Christian Salomon e Umberto Eco.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar o meu blog. Responderei nesse mesmo espaço!
Abraços educomunicativos!